Os 26 Anos da Minissérie O SORRISO DO LAGARTO #02



No dia 4 de junho de 1991, às 22:30, estreava na grade da Rede Globo, a minissérie brasileira O Sorriso do Lagarto, história baseada na obra literária de mesmo nome, do escritor baiano, João Ubaldo Ribeiro. 




Em 52 capítulos, O Sorriso do Lagarto, foi uma produção independente do diretor Roberto Talma em parceria com a TV Plus, a primeira a ser veiculada pela Globo. Adaptada para a TV por Walther Negrão e Geraldo Carneiro, a qualidade da obra foi irretocável, a começar pela abertura ao som de Mercy Street, na voz de Peter Gabriel. 




Na ilha de Santa Cruz, litoral da Bahia, experiências genéticas secretas são realizadas com o objetivo de se criar uma sub-raça. O responsável por tais experiências é o Dr. Lúcio Nemésio (José Lewgoy), que se utiliza do hospital público do lugarejo para tal fim. Em meio aos trabalhos do Dr.Nemésio e sua equipe médica, um assassinato acontece. A vítima é Maria das Mercês (Sofia Papo), uma ex-namorada de João Pedroso (Tony Ramos), que acabara de ser mãe e era uma das cobaias do médico.



João Pedroso, Branca, Padre Monteirinho e Maria das Mercês


Morta com um tiro ao fugir da clínica, onde seu bebê era submetido à experiências com lagartos, Mercês tem seu bebê roubado assim que cai morta à beira mar. Na ilha, contam que a criança é metade gente, metade lagarto.

O detetive Peçanha (Carlos Augusto Strazzer), chega à Santa Cruz para investigar o crime, e em meio a esse entrecho policial, acontece uma história de amor entre o biólogo João Pedroso e a dondoca Ana Clara (Maitê Proença).



Ana Clara e João

Ele abandonou a profissão e passou a viver da pesca, é proprietário de uma peixaria na cidade. Ela, a alienada e sonhadora esposa do pérfido e abominável Ângelo Marcos (Raul Cortez), corrupto Secretário da Saúde. Os dois vivem uma paixão fulminante tão logo se conhecem, mas Ângelo faz de tudo para acabar com o casal. Ao lado de João, Ana Clara renasce como mulher, mas sua felicidade será destruída.







Além das maldades de Ângelo para separar o casal, tem a obcecada Branca (Ana Paula Bouzas), apaixonada por João e capaz de tudo pra conquistá-lo. Ela despreza o pretendente Joaquim (Daniel Hertz) e nem percebe os olhares de Padre Monteirinho (Pedro Paulo Rangel), atormentado pela atração que sente por ela. Disposta a tudo, Branca chega a recorrer as feitiçarias do pai-de-santo Bará (em uma caracterização assustadora de Fábio Sabag), para ter o amor de João.



Branca

As investigações da morte de Mercês correm em paralelo ao romance de João e Ana Clara, as experiências do Dr. Lúcio, e as tramoias de Ângelo e sua corja de puxa-sacos, Bebel (Lúcia Veríssimo), seu marido Nando (Marcelo Picchi) e o playboy Tavinho (Alexandre Frota). Mas a chegada de Alícia (Silvia Buarque), repórter e sobrinha de Ângelo, à ilha, disposta a desvendar o que há por trás das experiências do Dr. Lúcio, mexe com os ânimos dos poderosos da cidade e faz com que o detetive Peçanha intensifique suas investigações, já que a morte de Mercês está diretamente ligada aos experimentos da equipe médica de Santa Cruz.


Bebel e Ângelo Marcos


O Sorriso do Lagarto era uma ficção-científica cheia de suspense e mistério, que me deixava vidrado na telinha e também assustado. O que eu mais queria era ver o sorriso do lagarto que dava nome a trama, morria de curiosidade para ver o híbrido de humano e réptil, que se insinuava durante toda a história, mas de fato, só foi aparecer mesmo na derradeira cena do último capítulo. Na época, aos 10 anos, fiquei todo arrepiado com a figura do menino com corpo de criança e cabeça de lagarto, um final impactante e digno da ótima trama conduzida por Roberto Talma.



Menino lagarto


Mas a minissérie de Walther Negrão e Geraldo Carneiro não teve um final feliz para os mocinhos. Aliás, o fim de Ana Clara e João Pedroso, foi o mais infeliz que já vi na teledramaturgia. Mas não vou dar spoiler, o You Tube tem a minissérie completa ou quase, vale a pena conferir.








Na trilha sonora original, lançada pela Som Livre, além da bela canção de abertura, destaque para ótimos instrumentais de Wagner Tiso e Léo Gandelman como Lembranças, Baobab, Raiz II e Solar, além de uma seleção com o melhor da MPB da época: Mal de Mim (Djavan), Quando o Amor Acontece (João Bosco), Maria / Linda Flor (Maria Bethânia com participação de João Gilberto), Avassaladora (Gonzaguinha) e Os Outros Românticos (Caetano Veloso).





Curiosidades:

- O Sorriso do Lagarto foi o primeiro encontro como par romântico entre Maitê Proença e Tony Ramos, em cena. No mesmo ano, eles protagonizaram Felicidade, pouco mais de um mês após o último capítulo da minissérie, em 30 de agosto de 1991. A romântica novela das seis de Manoel Carlos, estreou em 7 de outubro. Em 1996, atuaram em um episódio da série exibida pelo Fantástico, A Vida Como Ela É, baseada em crônicas de Nelson Rodrigues, e em 1998 fizeram o casal Clara e José Clementino, em Torre de Babel, de Sílvio de Abreu.

- No dia 4 de junho de 1991, exatamente o dia da estreia da minissérie, o ator Chiquinho Brandão, que fazia parte do elenco do folhetim, interpretando Chico Bagre, funcionário fuxiqueiro de João Pedroso em sua peixaria, morreu aos 39 anos, em um acidente de carro. Em seu lugar, entrou no capítulo 26, o ator Stepan Nercessian, fazendo um primo do peixeiro, com o mesmo nome e as mesmas característica do personagem feito por Chiquinho Brandão.



Chiquinho Brandão


- Também foi o último trabalho do ator Carlos Augusto Strazzer, que faleceu em fevereiro de 1993.



Investigador Peçanha e Joaquim


- Maria Proença, filha de Maitê, fez uma participação em O Sorriso do Lagarto, aos seis meses de vida, como um dos bebês contrabandeados da trama.

- Ana Paula Bouzas, a Branca da história, chegou a ser comparada a Letícia Sabatella, por sua beleza e talento, em sua estreia na TV. Na época, Letícia também estreava em O Dono do Mundo. Mas diferente da mineira da novela das 8, a baiana Ana Paula não trilhou o mesmo caminho de sucesso na TV. Seu último papel fixo em novelas foi como Fabiana, em Escrito nas Estrelas, de 2010. Ana Paula também foi casada com o ator Vladimir Brichta. 

- O romance de João Ubaldo se passa em Itaparica, na Bahia. Na minissérie, foi adaptado para a fictícia Santa Cruz, também na Bahia, porém gravada em Paraty, Rio de Janeiro.

- Foi o primeiro trabalho de Maitê Proença, após encerrar sua participação como a professorinha Clotilde em O Salvador da Pátria, e ficar quase dois anos afastada do vídeo e ter sua filha, Maria.

Por ser uma memorável obra teledramatúrgica dos anos 90, O Sorriso do Lagarto merece figurar entre nossas boas lembranças televisivas.  


A Seguir: Especial Semana dos Namorados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 Anos de Estreia da Melancólica DE CORPO E ALMA #08

Os 38 Anos de Fernanda Rodrigues #20

Os 27 anos da minissérie O CANTO DAS SEREIAS #05