Dossiê LGBT da Teledramaturgia - (Parte 2) #06





Dando continuidade ao Dossiê LGBT, retornamos a partir de...

1998

Torre de Babel, de Sílvio de Abreu, apresentou um dos casos mais marcantes de rejeição do público a duas personagens lésbicas, por puro preconceito. Na sinopse original, o casal Leila e Rafaela, elegantemente vividas por Sílvia Pfeiffer e Christiane Torloni, não morreriam incendiadas na explosão do shopping da história. Apenas Rafaela sairia de cena, deixando Leila viúva para viver um possível affair com a traída Marta (Glória Menezes). O público torceu o nariz para esse enredo, e uma das maiores injustiças da teledramaturgia foi cometida: Leila foi limada junto com Rafaela. Por isso até hoje tenho muita má vontade com Torre de Babel.



Na magnífica minissérie Hilda Furacão, escrita por Glória Perez, Matheus Naschtergaelle arrasou, tombou, lacrou em sua estreia como a travesti Cintura Fina, prostituta e amiga da personagem título.





Em Fascinação, de Walcyr Carrasco, no SBT, o ator Blota Filho era o afeminado estilista francês Renée.





1999

Na fracassada Suave Veneno, escrita por Aguinaldo Silva, dois dos personagens que mais gostei, o vidente Uálber Cañedo (Diogo Vilela) e seu afetadíssimo assistente, Edilberto (Luis Carlos Tourinho). A dupla era hilária, mas Aguinaldo inseriu neste núcleo a questão dos pitboys, que na época atacavam homossexuais nas ruas com seus pitbulls à tira-colo.

Ualber e Edilberto






2000

Na temporada do ano 2000 de Malhação, Erick Marmo viveu Sócrates, um gay assumido e arredio, que tornava-se agressivo ao primeiro sinal de preconceito ou chacota que fizessem de sua sexualidade. Seu comportamento irascível era uma forma de auto-defesa. Foi a estreia do ator em uma participação curta, porém intensa e marcante.

Sócrates







2001

Na novela das 7 de Antônio Calmon, Um Anjo Caiu do Céu, Luís Salém era Ávila, um estudante de Moda, e Daniel Dantas interpretava o famoso estilista Selmo de Windsor, que todos acreditavam ser gay, mas no final terminou ao lado de Lulu (Bel Kutner).

Ávila e Selmo de Windsor


Na primeira década do novo milênio, Sílvio de Abreu brindou seu público com a deslumbrante Ramona, transexual da novela das 7, As Filhas da Mãe. Papel criado especialmente para Cláudia Raia, que arrasou como sempre.





Em Roda da Vida, de Solange Castro Neves e Enéas Carlos, na Record, o homossexual Ronaldo era vivido pelo ator Ernando Tiago.

Ronaldo


2002

Em 2002, Ariel (José Wilker) e Tadeu (Otávio Muller), eram a afetada e divertida dupla da vez, em Desejos de Mulher, de Euclydes Marinho, para o horário das 19.





Em Sabor da Paixão, os amigos e sócios, Quintino (Edney Giovenazzi) e Silvano (Sérgio Mamberti), moravam juntos e disputavam a atenção de Hermínia (Aracy Balabanian), que passou a novela inteira achando que estava sendo cortejada e que em algum momento seria pedida em casamento por um dos dois. Mas no último capítulo da novela de Ana Maria Moretzsohn, para o horário das 6, revelou-se que os dois eram um casal de longa data e a disputa por Hermínia, apenas uma picuinha entre eles, que a deixou passada.





Na trama de Pequena Travessa, do SBT, protagonizada por Bianca Rinaldi, a atriz interpretava a mocinha Julia, que se travestia de Julio.

Júlia como Júlio


2003

Clara (Alinne Moraes) e Rafaela (Paula Picarelli), eram um casal de meninas adolescentes, em Mulheres Apaixonadas, pelas mãos de Manoel Carlos.

Rafaela e Clara



Em participação especial na novela Celebridade, de Gilberto Braga, Renata Sorrah, na pele de Dora, levou a vilã Laura, de Cláudia Abreu, pra cama.





Em Chocolate com Pimenta, de Walcyr Carrasco, a vilã Jezebel (Elizabeth Savalla), criava sua filha Bernardete, sem saber que na verdade ela era um garoto, que após a chocante descoberta virou Bernardo (Kayky Brito).

Bernardete/Bernardo



2004

Em 2004, Senhora do Destino, mais uma vez de Aguinaldo Silva, Eleonora (Mylla Christie) e Jenifer (Bárbara Borges), se apaixonaram, enfrentaram as famílias, adotaram uma criança e tiveram um final feliz. Na mesma novela, o carnavalesco Ubiraci (Luíz Henrique Nogueira) vivia as voltas entre tecidos, lantejoulas e seu boy magia Turcão (Marco Villela).

Eleonora e Jenifer

Ubiraci e Turcão



2005

América, de Glória Perez, teve Junior (Bruno Gagliasso), Zeca (Erom Cordeiro) e o famigerado primeiro beijo gay em novelas da Globo, gravado, mas que não foi ao ar.





Na novela de Miguel Falabella e Maria Carmen Barbosa, A Lua Me Disse, tinha o tresloucado e hedonista Samovar (Cássio Scapin), completamente apaixonado pelo hétero Valdo (Hugo Gross), que com muita insistência acabou cedendo aos apelos de Samovar, e os dois terminaram juntos. A excêntrica Dona Roma (Miguel Magno), proprietária de uma movimentada pensão, representava a letra T, do LGBT.




Em Belíssima, de Sílvio de Abreu, de 2005, Gigi (Pedro Paulo Rangel) apresentou um delicioso namorado, no último capítulo. Rebeca (Carolina Ferraz) e Karen (Mônica Torres) também terminaram juntas, na mesma trama.

Gigi

Karen e Rebeca


Bang Bang, de Mário Prata, no horário das 7, trouxe os atores Evandro Mesquita e Kadu Moliterno como as irmãs do velho oeste Henaide e Denaide, fugitivos da policia que se travestiam para escapar da Lei.

Denaide e Henaide


2006

Em Páginas da Vida, de Manoel Carlos, Rubinho (Fernando Eiras) e Marcelo (Thiago Picchi), eram um casal bem resolvido, que acabava adotando o filho da empregada, que engravidava, mas não queria a criança.

Marcelo e Rubinho


O ator Guilherme Piva, que já havia feito sucesso como o Zé Maria, de Xica da Silva, encarnou o cômico cabeleireiro gay, caipira e venenoso Nirdo, na novela das 7, Pé na Jaca, de Carlos Lombardi.

Nirdo



2007

Paraíso Tropical, de Gilberto Braga, tinha o belo casal Tiago (Sérgio Abreu) e Rodrigo (Carlos Casagrande), os dois não tinham conflitos, também mal se tocavam e foi considerado frio pelo público. Na mesma trama, várias travestis famosas fizeram participação como amigas de Virgínia (Yoná Magalhães). A que mais aparecia, na pele de Carolina, era Rogéria.

Rodrigo e Tiago

Carolina e Iracema


O autor Tiago Santiago em sua Caminhos do Coração, na Record, criou Danilo (Cláudio Heinrich) e Bené (Déo Garcez). O primeiro, um gay rico, fútil e enrustido. O segundo, pobre, culto e assumido.

Bené e Danilo


Em Duas Caras, de Aguinaldo Silva, de novo, Bernardinho (Thiago Mendonça), foi flagrado pelo pai, na cama com Carlão (Lugui Palhares), e expulso de casa. Sozinho, foi morar com Dália (Leona Cavalli), e acabou se envolvendo num triângulo amoroso com ela e Heraldo (Alexandre Slaviero), mas acabou casando com Carlão.




Sete Pecados, novela de Walcyr Carrasco, tinha Antero (Marcelo Médici), que usava vários disfarces para fugir de uma acusação de assassinato, entre eles, estava Zizi.





2008

Em Beleza Pura, escrita por Andrea Maltarolli, em 2008, Betão (Rodrigo Lopez), era um maquiador afetado.

Betão


Queridos Amigos, linda minissérie de Maria Adelaide Amaral, escrita em 2008, tinha Benny (Guilherme Weber) e seus amigos Jurandir (Sidney Santiago) e as travestis Cíntia (Odilon Esteves) e Brenda (Ricardo Monasteros).

Cíntia


Na novela de João Emanuel Carneiro, A Favorita, Orlandinho (Iran Malfitano), era apaixonado por Halley (Cauã Reymond), mas mudou de time ao se casar com Maria do Céu (Deborah Secco). Na mesma trama, Catarina (Lília Cabral), casada com um marido troglodita, descobria outra forma de amar ao lado de Stela (Paula Burlamaqui).

Halley e Orlandinho

Catarina e Stela



No remake de Ciranda de Pedra, releitura de Alcides Nogueira da trama de 1981, Letícia, agora vivida por Paola Oliveira, se envolveu com Arthur X (Guilherme Weber), mas terminou a história partindo em uma viagem com Joyce (Ana Furtado).

Letícia


Em Três Irmãs, de Antônio Calmon, o divertido Adamastor Pamplona (Carlos Loffler) chega causando na pequena Caramirim, e engata um romance com o prefeito da cidade, Nelson Santana (Aloísio de Abreu).

Adamastor e Nelson


2009

Em Caras e Bocas, Walcyr Carrasco criou o pintosíssimo Cássio, feito lindamente por Marco Pigossi, que eternizou bordões como "Cho-quei" e "Tô rosa chiclete".

Cássio


Em Cinquentinha, minissérie de Aguinaldo Silva, Pierre Baitelli fazia Carlo, um gay mau caráter.





Na novela Viver a Vida, de Manoel Carlos, Alice (Maria Luísa Mendonça) terminou em um relacionamento alternativo, formando um "trisal" com os bissexuais Osmar (Marcelo Valle) e Narciso (Lorenzo Martin).

Narciso, Alice e Osmar


Em Bela, a Feia, de Gisele Joras, na Record, Diogo (Sergio Menezes) e Diego (Daniel Erthal), eram um casal gay inter-racial.

Diogo e Diego


2010

Ti Ti Ti, remake de 2010, escrito por Maria Adelaide Amaral com Vincent Villari, apresentou um dos melhores núcleos gays já visto em novelas. Julinho (André Arteche), casado e feliz com Osmar (Gustavo Leão), no início da trama, fica viúvo, logo nos primeiros capítulos. Sofre, passa por um longo processo de superação, até ter uma decepção ao se apaixonar pelo hétero Eduardo (Josafá Filho). Ao conhecer o enrustido surfista Tales (Armando Babaioff), demora a se entregar, mas acaba vivendo uma linda história com final feliz.

Julinho e Thales



Em Malhação ID, foi abordado o tema da assexualidade através do personagem Alê (William Barbier).

Alê


No seriado de Antônio Calmon, Na Forma da Lei, Samuel de Assis interpretava o sensível e melancólico repórter gay Ademir. E Maurício Mattar era o violento e enrustido Delegado Pontes.

Ademir e Sávio


Delegado Pontes



2011

O maior núcleo gay dentro de uma telenovela, foi o que apresentou ao público a novela de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, Insensato Coração. Hugo (Marco Damigo), Eduardo (Rodrigo Andrade), Roni (Leonardo Miggiorin), Xicão (Wendel Bendelack), Gilvan (Miguel Roncato) e Nelson (Edson Fieschi), circulavam pelo principal cenário gay da trama, o quiosque de praia LGBT de Sueli (Louise Cardoso), mãe de Eduardo, que tinha uma bandeira do arco-íris cravada em seu topo. A presidiária Iraci  (Cristiana Oliveira) também fazia parte da sigla LGBT.

Nelson, Xicão, Hugo, Iraci e Eduardo


Lara Com Z, seriado de Aguinaldo Silva, spin-off de Cinquentinha, trouxe de volta o personagem Carlo (Pierre Baitelli).

Carlo


Em Morde e Assopra, de Walcyr Carrasco, André Gonçalves era o afeminado e espalhafatoso Áureo, filho do Prefeito da cidade e da Primeira-Dama, que viviam a repetir o bordão "volta pro armário Áureo", sempre que o filho desmunhecava demais. No final, Àureo conquistou o peão Josué (Joaquim Lopes), com quem teve seu happy and. Na mesma trama, havia Elaine, disfarce de Élcio (Otaviano Costa).





Elaine


No remake de O Astro, em 2011, escrito por Alcides Nogueira e Geraldo Carneiro, Felipe Cerqueira é encarnado por Henri Castelli, e seu inseparável amigo Henri, vivido por João Baldasserini. Mais dois gays divertidíssimos são inseridos a trama, os cabeleireiros de línguas afiadíssimas, Cleiton (Frank Menezes) e Pablo (Pablo Sanábio).

Felipe e Henri

Cleiton e Pablo

Aguinaldo Silva criou o afetadíssimo Crodoaldo Valério, ou apenas Crô (Marcelo Serrado), na novela Fina Estampa.

Crô


Em Aquele Beijo, de Miguel Falabella, Luís Salém viveu a cabeleireira travesti Ana Girafa.

Ana Girafa


Vidas em Jogo, de Christiane Freedman, na Record, Denise Del Vecchio, deu vida a transexual Augusta.

Augusta


As belas Luciana Vendramini e Gisele Tigre, eram Marcela e Marina, e protagonizaram um beijaço gay na novela Amor e Revolução, de Tiago Santiago, no SBT.

Marcela e Marina


No seriado cômico Macho Man, de Fernanda Young e Alexandre Machado, Jorge Fernando interpretava o protagonista Nelson, um cabeleireiro gay, que após levar uma pancada na cabeça durante uma noitada na boate, desperta de seu desmaio sentindo uma forte atração por mulheres. Mas para não prejudicar seu trabalho no salão de beleza, mantem segredo sobre sua nova condição de heterossexual.





2012

O sucesso das 19 horas Cheias de Charme, de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, tinha um homossexual interpretado por Daniel Dantas. Sidney era pai de criação da mocinha Rosário (Leandra Leal), e depois de ficar viúvo de Anderson (Guilherme Winter), nunca mais amou ninguém. 

Sidney


Em Gabriela, o remake de Walcyr Carrasco, Miss Pirangi (Gero Camilo) tinha um amante secreto. Ao ser revelado o machista Coronel Amâncio (Genézio de Barros) como o misterioso caso de Pirangi, a surpresa foi geral.

Miss Pirangi e Coronel Amâncio


Em Salve Jorge, de Glória Perez, a transexual Anita (Maria Clara Spinelli) e o gay Dudi (Marcos Baô), assim como a protagonista Morena (Nanda Costa), também foram traficados para a Turquia.

Dudi e Anita


Em Balacobaco, da Record, escrita por Gisele Joras, Thierry Figueira deu vida a Patrick Pimenta, um gay bem resolvido.

Patrick


2013

Félix e Niko protagonizaram o primeiro beijo gay entre homens na TV Globo, em Amor à Vida, de Walcyr Carrasco. Mateus Solano e Thiago Fragoso fizeram história com o romance de seus personagens.





Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari escreveram uma das novelas das 7 mais gostosas dessa década, Sangue Bom contemplava a diversidade com os personagens Filipinho (Josafá Filho), Xande (Felipe Lima), Tábata (Samya Pascoto), Sueli Pedrosa (Tuna Dwek), Tio Lili (Edwin Luisi), Peixinho (Júlio Oliveira) e Manolo (Alejandro Claveaux).

Peixinho, Filipinho e Xande


Em Saramandaia, o remake de Ricardo Linhares, o Delegado Petronílio Peixoto (Theodoro Cochrane) era um gay enrustido.

Petronílio e o trapezista


Na Record, Pecado Mortal, de Carlos Lombardi, foi uma novela bastante elogiada pela crítica. O vilão Picasso (Victor Hugo), que tinha por maior objetivo perseguir e infernizar o protagonista Carlão (Fernando Pavão), revelou no último capítulo ser apaixonado por ele antes de se matar em sua frente.





2014

Clara (Giovana Antonelli) se separou do marido Cadu (Reynaldo Gianechinni), para ficar com Marina (Thainá Muller), uma fotógrafa sedutora por quem se apaixonou perdidamente. Clara e Marina casaram-se vestidas de noiva e trocaram um apaixonado beijo na frente de todos os seus convidados, na novela Em Família, a última de Manoel Carlos.

Marina e Clara


Em Geração Brasil, de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, Dorothy Benson (Luís Miranda) era uma transexual, mãe do guru Brian Benson (Lázaro Ramos).

Pamela Parker e Dorothy Benson


Na novela Vitória, de Christiane Freedman, na Record, Virgulino (Ricardo Ferreira) era um gay nordestino, perseguido pela gangue de neonazistas comandada por Priscila (Juliana Silveira), que exterminava gays, nordestinos e negros.

Virgulino


O eterno galã José Mayer abriu o leque para novas possibilidades em Império, de Aguinaldo Silva. O cerimonialista Cláudio Bolgari era casado com Beatriz (Suzy Rêgo) e pai de dois filhos, a doce Bianca (Juliana Boller) e o homofóbico Enrico (Joaquim Lopes), mas também mantinha um caso com o jovem Leonardo (Kléber Toledo), com quem acabou ficando no final. Na mesma novela ainda tinha a travesti cabeleireira Xana Summer (Aílton Graça) e o venenoso blogueiro de fofocas Téo Pereira (Paulo Betti).

Leonardo e Cláudio

Téo Pereira

Xana Summer


Pepito (Conrado Caputto) era o assistente gay e fiel escudeiro de Samantha Paranormal (Cláudia Raia), em Alto Astral, de Daniel Ortiz.

Samanta e Pepito


2015

A sensível Sete Vidas, de Lícia Manzo, para o horário das seis, trazia Regina Duarte num papel diferente de todos, ela era a homossexual Ester. Eriberto (Fabio Herford) e Renan (Fernando Eiras) se desfizeram de seus casamentos para viver a paixão que os tomou de assalto na reta final da novela.

Ester e os filhos Laila e Luís

Eriberto e Renan



Babilônia tinha tudo pra lacrar com as divas Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg vivendo o casal Teresa e Estela, mais Ivan (Marcelo Melo Jr) e Sergio (Cláudio Lins), juntamente com a poderosa Rogéria na pela de Úrsula Andressa, mas infelizmente flopou vergonhosamente.

Teresa e Estela

Úrsula Andressa, Karen e Ivete

Ivan e Sérgio


O ótimo Frank Menezes arrancou boas gargalhadas como o mordomo da vilã Soraya (Letícia Spiller), em I Love Paraisópolis, de Alcides Nogueira e Mário Teixeira. Júnior era hilário.





No horário das 11, após o sucesso de Félix em Amor à Vida, Walcyr Carrasco acertou mais uma vez em Verdades Secretas com o booker Visky. Uma composição arrasadora de Rainer Cadette. Na mesma trama, Bruno (João Vitor Silva) e Sam (Felipe de Carolis) tiveram um envolvimento.

Visky




A despretensiosa Totalmente Demais, de Rosane Svartman e Paulo Halm, foi uma novela que apostou no conto de fadas e agradou em cheio ao público. A trama tinha diversos personagens carismáticos, entre eles o engraçadíssimo e espirituoso Max (Pablo Sanábio), assistente gay do protagonista-galã Artur, feito por Fábio Assunção, por quem Max tinha uma queda escancarada.

Max


2016

Um casal de época em uma novela das 6 surpreendeu, ao se formar na reta final de Êta, Mundo Bom! Eles eram Lauro (Marcelo Argenta) e Tobias (Cleiton Morais), na novela de Walcyr Carrasco.

Lauro e Tobias


A novela das 11 Liberdade Liberdade, de Mário Teixeira, marcou mais um registro histórico na teledramaturgia brasileira, com a primeira cena de sexo entre dois homens, protagonizada por André e Tolentino, em momento de total entrega dos atores Caio Blat e Ricardo Pereira.





Em A Lei do Amor, de Vincent Villari e Maria Adelaide Amaral, Nelito (Danilo Ferreira), Wesley (Gil Coelho) e Gledson (Raphael Ghanem) foram os gays mais apáticos dos últimos tempos.

Nelito e Gledson


Em Rock Story, de Maria Helena Nascimento, depois de curtir uma longa paixão platônica por sua chefe Diana (Alinne Moraes), Vanessa (Lorena Comparato) termina ao lado de Bianca (Mariana Vaz), em uma paixão finalmente correspondida.

Bianca e Vanessa

No seriado Supermax, de autoria de Fernando Bonassi e Marçal Aquino, a atriz Maria Clara Spinelli, viveu a transexual Janete.

Janete


Em Nada Será Como Antes, série de Guel Arraes e Jorge Furtado, Beatriz (Bruna Marquezine) e Júlia (Letícia Collin) viviam um tórrido e rápido romance, e Rodolfo mantinha um caso com Aristides (Bruno Garcia), mas também se envolveu com Flávio (Gabriel Stauffer).

Beatriz e Júlia

Aristides e Rodolfo



2017

Em Os Dias Eram Assim, de Ângela Chaves e Alessandra Poggi, está rolando um clima entre León (Maurício Destri) e Rudá (Konstantinos Sarris).

Rudá e Leon


O novato Gabriel Sanches vive a drag queen Rúbia, na novela das 7 Pega Pega, de Cláudia Souto.

Flávio/Rúbia


E Glória Perez faz um trabalho magnífico em A Força do Querer ao abordar os dramas de travestis e transexuais através das personagens Elis Miranda e Ivana, composições primorosas dos novos talentos revelados na excelente atual novela das 9, Silvero Pereira e Carol Duarte. Fechando assim esse dossiê com chave de ouro.

Ivana

O sorriso de Elis Miranda


É isso, como deu pra perceber há anos a teledramaturgia contribui para uma maior tolerância com as diferenças, nem sempre ela acerta ou agrada, mas tenta fazer a sua parte, e nós agradecemos toda e qualquer contribuição contra o preconceito e a ignorância. E se você sentiu falta de algum personagem LGBT, deixe nos comentários. 

Comentários

  1. Em Caras e Bocas ainda tinha o Sidney (Kleber Toledo),amigo do Cássio (Marco Pigossi).E tinha ainda o André (Ricardo Duque), que terminou a novela ao lado do Cássio.

    ResponderExcluir
  2. Oi Junior, verdade, acabei deixando-os de lado conscientemente, mas obrigado por lembrar. Teve também o Adriano (Rafael Zulu) de Ti Ti Ti (2010), que eu eu esqueci mesmo! rs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

25 Anos de Estreia da Melancólica DE CORPO E ALMA #08

Os 38 Anos de Fernanda Rodrigues #20

Os 27 anos da minissérie O CANTO DAS SEREIAS #05