Na Trilha de... Músicas Que Só Tocaram na Novela #32


Toda a trilha sonora de novela ou minissérie, tem aquela música marcante que só escutamos durante a história. São temas, muitas vezes, encomendado para a novela e/ou determinado personagem. Outras vezes, a música apenas casa tão perfeitamente com a trama, que é selecionada pelos produtores musicais para entrar na trilha. O curioso, é que muitos desses temas marcantes para os noveleiros, ficam apenas na memória, assim que a trama chega ao fim. Muitos artistas desaparecem da mídia, tornando-se intérpretes de uma canção só. Existem muitos casos assim, mas hoje selecionei 10 temas marcantes pra mim, que nunca mais ouvi, após ter embalado aquela história inesquecível, para a gente recordar e matar a saudade.

Entra e Sai de Amor é uma composição de Altay Veloso, interpretada pelo mesmo, que teve sua música incluída na trilha de Roque Santeiro, em 1985. Seu primeiro disco foi lançado em 1980 e a canção que serviu de tema para o amor proibido de Tânia ( Lídia Brondi) e Pe. Albano (Cláudio Cavalcanti) foi retirada do terceiro álbum do cantor, lançado no mesmo ano da novela. A música de letra forte, que fala de uma paixão profunda, é arrebatadora.



Não lembro de ter ouvido música de Altay Veloso em nenhuma outra trilha, desconhecia o cantor até Entra e Sai de Amor ganhar um replay na trilha sonora de Sabor da Paixão, novela de Ana Maria Moretszohn, exibida em 2002, servindo de tema para a protagonista Diana ( Letícia Spiller). Ao pesquisar, comprovei que Altay realmente não é um cantor de muitos sucessos, com uma carreira discreta, o artista teve seu trabalho mais recente, reconhecido em 2016, ao ganhar o concurso de samba-enredo, na Mocidade Independente de Padre Miguel, sendo um dos autores da obra que serviu de trilha sonora para o enredo As Mil e Uma Noites de Uma Mocidade Pra Lá de Marrakesh. Entra e Sai de Amor foi a faixa de número 10 de Roque Santeiro Volume 2 e a faixa 12 de Sabor da Paixão Nacional.




Em 1990, a Globo produziu uma segunda versão da novela Dona Xepa (1977), de Gilberto Braga, baseada em peça de Pedro Bloch. A novela ganhou o título de Lua Cheia de Amor e contou em sua trilha nacional com uma música interpretada pela cantora espanhola Ana Belén. Luz da Lua era uma balada romântica, que embalava o romance de Mercedes (Isabela Garcia) e Augusto (Maurício Mattar). A novela foi produzida em parceria com uma TV espanhola, por esse motivo suas trilhas tiveram algumas canções em "portunhol". Julio Iglesias marcou presença na trilha nacional com Só Você Vai Me Fazer Feliz e Roberto Carlos esteve na internacional, com a canção Mujer, mas foi Ana Belén com sua presença inusitada na seleção musical e seu sotaque encantador, que mais deixou saudade. Luz da Lua era a faixa 3 do álbum.





Juan Luis Guerra é um cantor e compositor dominicano, responsável pela letra, adaptada para o Português por Ferreira Gullar e interpretada por Fagner, de Borbulhas de Amor, mas a canção que ficou eternizada em sua voz foi Romance Rosa, escolhida como tema para a inesquecível Yasmin (Daniela Perez), na novela De Corpo e Alma, de 1992. A faixa era a oitava da trilha nacional da novela.





Na mesma novela e também tema de Yasmin, Wishing On a Star do grupo feminino novaiorquino The Cover Girls, explodiu nas rádios de todo o País e tocou a exaustão em todos os lugares. A música de melodia melancólica e letra que falava do desejo de reatar um amor interrompido, era o tema perfeito para o romance de Yasmin e Caio (Fábio Assunção), sabotado pela família de ambos. Depois da tragédia ocorrida com a atriz, Wishing On a Star tornou-se um hino, impossível de não remeter aquela triste história ao primeiro acorde e provocar emoções profundas. Após o estrondoso sucesso, as meninas do The Cover Girls nunca mais tocaram por essas bandas. Faixa 11 da trilha internacional de De Corpo e Alma.





Também em 1992, fomos apresentados ao mantra Madana Mohana Murari, entoado pelo Homem de Bem, o cantor niteroiense Tomaz Lima. A relaxante canção foi tema de Úrsula (Andréa Beltrão), em Pedra Sobre Pedra. Uma música incomum para uma personagem fascinante. A etérea e apaixonada Úrsula amou intensamente, embalada pelo mantra que caiu na boca do povo. Impossível ouvir Madana Mohana Murari e não lembrar imediatamente dos banhos de cachoeira da personagem e da flor de Jorge Tadeu (Fábio Jr). Tomaz Lima tornou conhecido os milenares mantras indianos com sonoridades ocidentais, juntando os sons do sitar com saxofone, cordas, cuíca, flautas, oboé, harpa, charango e darbuka, mas da mesma forma que ganhou fama em todo Brasil, sumiu. Sexta faixa de Pedra Sobre Pedra Volume 1.





Em 1993, a banda Lilith ficou conhecida por uma música, que entrou na trama da minissérie Sex Appeal como tema de abertura. Todo o Amor é Bom era uma delícia pop de toque sensual, na voz afinada de suas três integrantes, uma delas, a atriz Cristina Ribeiro, também cantora e bailarina, que participou de novelas como O Dono do Mundo (1991), A Viagem (1994), Cortina de Vidro (1989) e Felicidade (1991), onde viveu Claudete, seu papel de maior destaque. Sex Appeal não teve sua trilha sonora lançada.





Bad Girls foi uma dupla musical que surgiu nos anos 90, composta pelas cantoras Daniele Daumerie e Karla Sabah. A dupla se desfez em pouco tempo, Karla seguiu carreira solo e nunca mais se soube de Daniele, mas Bad Girls deixou sua marca nas memoráveis trilhas de novela, com o ousado tema da vilã Isabela Ferreto (Cláudia Ohana), em A Próxima Vítima (1995). Alelui-me Baby tinha uma letra sexy de duplo sentido, que caía como uma luva para a sórdida personagem, inesquecível composição de Cláudia Ohana, acompanhada por um tema a altura de sua malícia e mau-caratismo. Simplesmente antológico. Faixa 9, da trilha nacional da novela.





Em O Fim do Mundo, a mini-novela de Dias Gomes, exibida em 1996, a versão da atriz e cantora Vanessa Barum para a italiana Sei Bellissima de Loredana Bertè, virou o tema da bela e cobiçada Gardênia (Bruna Lombardi). Belíssima era uma tradução perfeita para a personagem, daqueles temas tocantes, de letra forte e profunda, que com a novidade da interpretação de Vanessa, se lançando como cantora, tornou-se algo personalíssimo e sofisticado. Vanessa Barum teve mais uma música em trilhas, Resquícios entrou no disco Malhação 4, também de 1996, depois disso nunca mais. Quarta faixa, da única trilha de O Fim do Mundo.





Na novela Era Uma Vez..., gostava do tema da apaixonada Babi (Nívea Stelmann), que amava platonicamente o rico e cobiçado Filé (Cláudio Heinrich), sofrendo por sua indiferença, ao som de Menos Carnaval, de Belô Velloso, canção fofa executada apenas durante a exibição da novela em 1998. Nunca mais a escutei em lugar nenhum. Faixa 3, da trilha nacional da novela.





Finalizando essa seleção, temos Coração do Meu Mundo, do rapper Black Alien, que foi o tema da mocinha do Velho Oeste, Diana Bullock (Fernanda Lima), em Bang Bang. Uma música feita sob encomenda para a personagem, em 2005. Apesar da pouca repercussão e baixa audiência da novela, a canção de Diana era uma das coisas mais gostosas de se ouvir, dando personalidade a trama e a protagonista. Faixa 7, da trilha única de Bang Bang.




Espero que tenha gostado dessa postagem musical. Se lembrou de outros temas que só tocou na novela, deixe nos comentários. Quem sabe não rola uma nova seleção?

Ps.: Essa é a última publicação do Lembra de Mim antes do Natal. Antes de acabar o ano teremos mais uma homenagem, então até lá e Feliz Natal à todos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 38 Anos de Fernanda Rodrigues #20

Leonardo Vieira, o Eterno Galã da Minha Adolescência, Completa 49 anos #33